Em Mim

Postado por Fernanda Huppert 8 Viajaram Aqui

Lúdica embora plena
De menina, mulher errante
No sorriso trago lembranças
No chorar , gotas de medo
Eis que em minha alma
Segredos moram
Eis que em meu corpo
Desejos pousam.
E com tudo isso
Certo ou errado
Sigo por caminhos
E vôo com tuas Asas...

Fêh Huppert

Na Garagem

Postado por Fernanda Huppert 10 Viajaram Aqui
Meninos ainda, cantam e encantam ao tocar, no ensaio, ao som da música preferida de charlie brown jr, meu ensaio em click!
Ricardo Paiva - Baixo
Kako Luz - Guitarra
Foto: Fêh Huppert

Fases

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Cecília Meireles

..........................................
Foto: Fêh Huppert
Nikon 12-24mm
d90 - Luz
Para Meu Anjo de Asas...

Art Digita 02

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui

Modelo Ana Mondeza
Art Digital Fernanda Huppert
Nikon D90
Trabalho em Photoshop cs5

Fêh Huppert


Art Digital 01

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui

Enganando a Tristeza...

Postado por Fernanda Huppert 6 Viajaram Aqui

As vezes em meus momentos de felicidade,
Escondo-me, para que a tristeza não me ache...

Fêh Huppert




Ele e suas Asas....

Postado por Fernanda Huppert 7 Viajaram Aqui

Definir uma pessoa como ele, é estar bem longe disso, é escrever linhas dispersas, e no engano das palavras, não achar algo que se assemelha, é tão diferente de tudo ao redor, é como uma caixinha repleta de luzes, que ao abrir, mudam de cor, os olhos cintilam, e a sensação de prazer interno em ver aquilo, é tão intensa, que o coração dispara, e borboletas voam no estômago.
Ele tem a delicadeza nas palavras, a atenção no olhar, tem um sopro de vida intenso, não precisa estar tão perto para senti-lo, ele transpira isso de longe.

É tão simples, e tão presente tudo isso, que as mãos não sabem como tocar, ficam presas, não querem machucar , e nem mesmo deixar que tudo isso se desfaça, é incógnito, e tão real.
Dá pra ver no sorriso, a transparência da alma, e nos olhos, o coração grande que mora lá dentro.Penso ser conto de fadas, assim, do nada, como fábulas que perpetuam no tempo, mas é mais que isso,... ele existe.
Asas tatuadas nas costas, nem mesmo precisariam, pois ele se faz tão anjo presente, que isso é apenas um detalhe em seu corpo, o bom de tudo, mora dentro dele.
O sorriso é algo inexplicável, sem muitos motivos para sorrir, ele me faz sorrir...
E faz com que meu coração se aqueça e bata mais forte.

Ele é assim, algo sem explicação, que me deu asas, e por dias me faz voar junto à ele...
Quem acredita que Anjos existam?
Eu tive o prazer, de conhecer um....

Bjos!

Fernanda Huppert

P.S: A foto acima não foi tirada por mim, é postada com autorização deste Anjo bom...
Que adoro de paixão.


Ela Está...

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui
Cansada...


Com Fome...


Rebelde...


Nas alturas...


Pensando na listinha de compras! :)



A modelo, Renata Huppert(primucha linda de 9 anos), em um ensaio fotográfico amador, em uma tarde de domingo.
As indicações sobre as fotos e a música que acompanha a apresentação, são de Renata, que além de ser uma ótima modelo, é uma excelente companhia..:)

Bjos...

Fernanda Huppert


Postado por Fernanda Huppert 5 Viajaram Aqui
  Imagem: Fantsy de Jorge Curterrie

Trazia flores nos cabelos e laços encaixados nas mãos. Prendia o cabelo com lenços brancos que protegiam as flores dos ventos tempestuosos do Norte e esvoaçavam na brisa fresca das manhãs Ela escondia segredos de luz no coração. Trajava um vestido bordado à amor, que a mágoa rasgava e os sonhos costuravam. O coração era isso…
Os cabelos negros não eram nada senão esperanças que espetavam facas finas sobre as costas quando o vento soprava. Por vezes, ela pousava os sonhos, a mágoa e o medo sobre o papel onde escrevia canções de amor. Restava então o vazio. E o vestido a esvoaçar entre os pensamentos que voavam como pirilampos iluminando a noite, eram tantos que o clarão abria-se como auréola angelical...
Sem querer, ele tatuou asas de anjo em seus pensamentos...


FêHuppert



............................................................

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui

Deixo-me levar pelo vento,
Sem parada, leva-me solta pelo ar
Assim como as palavras
Um dia pouso.
E no abraço de outros braços
hei de adormecer vagarosamente.
Para então acordar um tanto mais feliz...

Fernanda Huppert





.....................................

The Off Love

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui

FêHuppert/2010
Ama sem medo, sem receios.
Pois viver, é preciso...
Eu?
Eu quero apenas guardar-te comigo.
Não como uma caixinha de jóias ou como um objeto qualquer.
Quero guardar-te como és.
Perguntam-me se todos os riscos, ou todo o sofrimento é compensado pelos breves momentos em que estivemos juntos...
Nesta utopia.
A minha resposta é um sorriso mudo.
Se me perguntares o significado da palavra amor, não saberei dizer ao certo.
Sei de uma coisa, tal como a chuva, o sol, o vento sabem de mim...
O Amor pelo Amor, fica pequeno nas palavras soltas ao ar.


   
Fernanda Huppert

Postado por Fernanda Huppert 5 Viajaram Aqui

FêHuppert - Julho/2010

Eu ainda tenho guardado no canto da boca, o gosto do teus lábios,
um gosto indefinido, uma mistura de sentidos e sentimentos,
uma desperta procura do inacabado.


Eu tenho ainda no vermelho dos meus lábios, gravado o toque de tuas digitais.
Por isso em meu silêncio, meus pensamentos
voam para caminhos íngremes e inconstantes.
Na certeza que um dia se apagarão
como réstias de luz em um quarto escuro.

Fernanda Huppert







....................................

Fotomontagem : Fernanda Huppert
 com efeitos de Photoshop, Maquilagem e Brusch Pat
["To ficando boa nisso...hahahaha"]

Desculpem a ausência.
Bjos pra quem vem me visitar!

Rosa e Vida

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui
FêHuppert -[Roseira ]- Junho/2010

O que teme a Rosa
Se não as pétalas caídas?
Em uma manhã de sol,
Ei-la vê-las adormecidas.

Assim é a vida
Floresce, flor em botão
Exala perfume, cores
E se vai um dia,
Como pétalas ao chão...

Fernanda Huppert

O Que é Mágico Para Mim

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui
Foto: FêHuppert/ Rebeca-Maio/2010


Mágico para mim,
É a lua suspensa no céu,
E de brinde, coberto de estrelas.
É o sorriso esperado, o abraço apertado.
É o toque das mãos
A batida do coração.
A beleza da cor
O sol, o calor.
É o beijo demorado
É amar, e ser amado.
Mágico é ser criança, e crescer.
Mágico é ao amanhecer
Saber agradecer o dia.
Mágico é Alegria.
Amigos inesperados
Presentes recebidos
Acolher, e ser acolhido.
Mágico são as palavras,
Escritas, Narradas e faladas.
Mágico é Poesia.
É o calor das mãos
Dois corpos, um sentido...
É o sonho a dois correspondido.
Enfim, Mágico é a vida.
A liberdade
Magia, misturada
Com toda e qualquer realidade.

Isso é Mágico para Mim...

Fernanda Huppert

Selo - Presente Amigo

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui

the award

Recebi este carinho da queirda amiga do Blog Poesia Torta, que na verdade de Torto não tem nada, porque Kenia escreve com uma sensibilidade, brinca com as palavras, as letras, e isso acaba resultando em pequenas frases poéticas, doces e muitas reflexitivas.Kenia, obrigada , estou começando ainda neste mundo Blogueiro, mas já estou adorando ler, e conhecer um pouco de cada um.E foi um prazer e esta sendo estar acompanhando seus escritos.


Para isso respondo a Pergunta:
O que é mágico para você?

Vou responder acima...:)

Obrigada Kenia!, beijo e abraço carinhoso para você.





Meu Novo Amor

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui

FêHuppert/Junho 2010

Nos conhecemos em um dia comum, e ele trouxe uma alegria única e incondicional ao meu coração.
Não o escolhi, ele me escolheu.
Amor a primeira vista existe, descobri isso a 3 meses.
Este é Theodoro, Theo...minha paixão...
Meu companheiro inseparável.

Fernanda Huppert

Estranho seria se eu te esquecesse...

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui
FêHuppert/Junho/2010

Hoje abri aquela caixinha onde guardo os nossos segredos, faz tempo que não a visitava por puro medo. Encontrei lá dentro, restos de nós dois. Reli as tuas cartas, aquelas que falavam do teu amor, onde descrevias a tua paixão por mim e por um momento incendiei-me por dentro.
Depois encontrei aquele desenho quando desenhou um coração e escreveu o nosso nome em letras enormes, e assim, o coração que bate dentro do meu peito, bateu insatisfeito.

Remexi ainda mais na caixinha e achei uma flor, aquela que me deu quando me disse pela primeira vez “eu amo voce” , e descobri que ela secou, por pura falta de amor.
Depois bem lá no fundo encontrei perdido aquele coração partido que tinha pendurado no meu pescoço, pensei então na outra metade, onde andaria? Será que ela ainda existe?
Achei também aquela mensagem que dizia que a vida sem mim, não tinha sentido, em que nada valia a pena no dia que não nos falávamos, lembrei-me do teu sorriso quando me encontrou, eu amei esse sorriso! O sorriso que jamais esquecerei. Também achei um bilhete com seu pedido de desculpas por um momento de tensão e lembrei-me que te dei esse perdão com a maior emoção. Em seguida achei um papel com aquela canção que cantavas para mim no violão. A letra dessa música que quando ouvíamos, dizia-nos que seria a nossa canção e eu cantei-a baixinho por um breve minuto. Depois de já estar com o coração triste, achei aquele e-mail que me enviou falando do fim.
Poucas linhas, rápidas palavras, como se a nossa história tivesse sido transitória.
Silenciei-me nesta lembrança.
Depois tranquei a caixinha e parti para a minha realidade, fingindo a alegria por um tempo perdida.
Na verdade, o que eu queria era morar dentro daquela caixinha, junto com o meu coração que já vive lá...

Afinal desde que você partiu, foi o único lugar que ele encontrou para continuar batendo.

Fernanda Huppert


Feliz Dia dos Namorados, para quem tem e para quem não tem, "Boa Sorte, para encontrar alguém, que faça tudo valer a pena!"

Abraços





O que Ficou...

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui
FêHuppert - Junho/2010

Cadarços

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui
Foto tirada em uma banca da 25 de Março - Junh/10

Tem tantas cores, que se misturam
Parecem um Arco-Iris...
Quero rosa, amarelo, verde escuro,
Na indecisão, levo mais de um então!
Quero colorir a vida,
dos pés a cabeça
Aqui, cadarços na fotografia,
Para que este dia,
Eu nunca me esqueça...

Fernanda Huppert

[E não tem como esqucer mesmo, 25 de Março, Loucura Total!rs ]     :)

Palavras

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui
FêHuppert -Junh/10


E palavras não descrevem nunca as pontas das dores, que são sempre as mais sentidas e menos cicatrizadas.
E tudo parece tão frágil, no encantamento tonto de uma coisa incerta inventada em palavras.
Essa fragilidade amargura-nos o corpo num abraço de saudade, que nos envolve na sonoridade louca como água a brotar da fonte seca dos amores.
Que mais pode ser o amor para além do fruto das palavras?
As palavras adormecidas em um baú de conquistas,  fazem doer apenas num instante, porque nos outros são apenas a mágoa de não as conseguir ressuscitar aquilo a que chamamos "Amor".

Quem se esqueceu de avisar que escritor é apenas mágico das palavras e nunca da realidade?



Hoje eu sei...
O amor escreve-se com as mesmas palavras, com que se escreve a mágoa.



Fernanda Huppert

Lembrança - Bolhas de Sabão

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui
Fê Huppert - 1992 - Efeito Photoshop Brushes Tool


Eram apenas bolhas de sabão
Eu achava que era possível pega-las,
Senti-las em minhas mãos,
Na fragilidade, ao toca-las,
"Ploct"...partículas minúsculas caiam pelo chão
Como chuva fina, brilhante, colorida.
Criança ainda,
Eu apenas sorria...

Fernanda Huppert

[As vezes fico assim, hoje adulta, frágil, como uma bolha de sabão.]

Primeiro Beijo e All Star

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui
FêHuppert - Maio/10


Parecia que tudo  havia se reunido num sorriso súbito, um sorriso liberto do coração, preso nos lábios. Sentia-se orgulhosamente mulher, com uma confiança e vaidade desmedidas, como se trouxesse nas roupas femininas toda a vontade colossal de viver. No rosto uma normalidade falsa, nos olhos uma ansiedade única. Sentia-se curiosamente feliz e nenhuma máscara senão a da própria felicidade a poderia esconder. No radio tocavam músicas pouco comuns ao cotidiano, mas gostava de ouvir músicas diferentes do habitual, enquanto fazia do banco do carro a sua sala de espera. E era como se repentinamente não houvesse rádio, mas houvesse orquestras sinistras no coração, onde batidas ansiosas ecoavam pelo miocárdio e se repetiam nos olhos, num brilho incomum.

Sobre os olhos, o lápis preto desenhara um traço de realce, como se não fosse os olhos que quisesse marcar, mas sim a sua presença. Ela vestiu o coração de esperança, como se o castanhos dos olhos estivessem subitamente trancados também no coração. Arrumou o cabelo. Reparou no realce dos olhos e gostou do brilho que refletiam deles, como se subitamente eles fossem pedras preciosas. Ela sentia-se extremamente criança, trancada numa casa de bonecas, onde o mundo da fantasia girava ao redor dos seus cabelos castanhos claros. Sentia uma felicidade infantil. Tinha medo, ansiedade, mas também esperança. Caminhou pelo corredor. Disseram-lhe que estava bonita como nunca. Elogiaram sua roupa. E ela caminhou pelo corredor, com o coração batendo em arritimia, nas músicas descontroladas de um uma ansiedade amorosa que o seu coração despertara contra a sua vontade, mas que sabia que lhe fazia bem. Trazia na expressão facial um olhar triunfante, feliz, Sorriu para si mesma.. Caminhou, sentia o seu rosto quente, como cerejas, deliciosamente maduras. Sentia vergonha, mas também uma auto-estima. E caminhava, com o olhar entre o triunfante e o envergonhado, numa vontade súbita de correr enfrente e a de voltar para trás. Mas não, ela não iria para trás, não o poderia fazer, o coração não permitia-lhe isso nem ela o queria. Ao fundo, a porta. Aguardou que a abrissem..

Olhou para o chão, lá em baixo, nos seus pezinhos 35, os favoritos All Star.
Sentia-se bem para si mesma com eles.
O All Star era o seu sapatinho de cristal como Cinderela moderna.
E ela voltou a sorrir para si mesma.
A porta abriu-se, lá dentro, a sua esperança, a sua ilusão.
E o seu primeiro beijo.
Achava-se Mulher, mais ainda era uma doce e pequena menina, que levaria para a vida toda, o primeiro beijo guardado em seus lábios.

Fernanda Huppert

Saudades do Amigo Pai

Postado por Fernanda Huppert 4 Viajaram Aqui
Fernanda e Julio D. Huppert - 26/10/84

Lembro da minha infância com sorrisos nos lábios.Eu, filha única , a primeira neta, única mulher entre os netos e sobrinhos, sentia-me a “princesa” da família.Era algo sem explicação.Meu pai, sempre acordava-me com beijos e “cosquinhas" em minhas orelhas. Ele era a primeira visão que tinha ao acordar, e seu sorriso largo, olhos amendoados, eram para mim a mais bela paisagem vista por uma criança na minha idade.

Hoje , fazem exatamente 12 anos que ele se foi.Meu coração chora todos os dias, porque sua presença foi tão marcante em minha vida, não pelo pai, mas pelo amigo.Os livros que leu e ensinou-me a ler, as muitas idas aos parques , sua paciência , seus abraços, sua presença constante em minha vida.
Todos dias ao acordar,antes de abrir os olhos, vejo aqueles olhos amendoados e o sorriso dele presente , e é assim que quero acordar por todos os meus dias...



Fernanda Huppert
05/06/2010

O Sonho - A Bailarina

Postado por Fernanda Huppert 6 Viajaram Aqui
Imagem - Google
E seria capaz de jurar que o meu vestido tinha música sobre as sedas, onde aprisionava flocos de brancura reluzente como pequenos alfinetes de neve. Eu seria capaz de dizer que o meu cabelo se tornou mais negro e que caíam sobre as costas mais brancas. O meu corpo dançava. E eu seria capaz de sentir a dor suave nas pontas dos pés e os movimentos delicados estendendo-se dentro do meu peito. Eu era bailarina do meu próprio sonho, aprisionada numa bola de cristal cheia de flocos de neve. Todo o mundo reduzido dentro de uma bola cheia de gelo. E eu sou bailarina dentro do meu próprio peito, porque me sinto a dançar dentro de mim. Eu quase juraria sentir as tuas mãos frias sobre os meus braços. Os teus olhos pararam a música, porque o meu corpo parou nos teus olhos. Mas tu dançaste e levaste-me nos teus braços, de mãos dadas à tua dança. Eu quase sentia os flocos de neve a cair sobre meu rosto, meigo, frio.
E eu seria capaz de jurar que os flocos de neve não caíam...
Dançavam...

Fernanda Huppert

Asas

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui
Imagem - Google


Um dia disseram-me que existiam anjos perdidos pelas ruas, pelos céus, nas ondas do mar, no sopro do vento, nos raios de sol, na essência de um momento...
Encontrar um desses anjos é melhor que encontrar a rota para o caminho de casa, pois basta uma palavra, um gesto de um deles para nos reanimarem e devolverem à vida.
No meu coração, eu tenho um baú aberto de sorrisos onde guardo uma das maiores relíquias que se poderá ter, o meu "Ser Anjo", em busca de outras Asas.
Em algum lugar eu sei que estas asas estarão ali,
Esperando por mim...

Fernanda Huppert

Sonhos

Postado por Fernanda Huppert 3 Viajaram Aqui

FêHuppert - Maio/10


Viajava no seu mundo idílico composto por libelinhas azuis e gatos voadores lhe emprestavam o seu ronronar. O seu leito era na Lua, sempre com o coração a flutuar.

Tocava nos seus botões de tulipas brancas enquanto tentava guardar no seu peito tudo o que sentia. Sentia-se repleta de sentimentos de amor. Do peito brotavam flores com perfumes encantados, mãos que tocavam tambores pequeninos e estrelas douradas e brilhantes. Saltitavam como rãs, como um capricho inocente de uma criança e o verbo amar, de sobrenome tagarela, trazia nos pés uma mola provocando espirais na montanha russa de que era revestido o seu coração.

"Comi demais"– pensava. É gula a mais deliciar-se com tantos sentimentos e repetir, repetir esses pratos vezes sem fim.
Pensava-se que ela vivia no Planeta Romântico, onde os violinos tocavam melodias mais belas e o saxofone dela escrevesse nas notas os beijos que ele lhe deu.
Os lábios de cerejas, maduros como morangos em Agosto, num campo silvestre de amoras, abandonado num fim de tarde qualquer.
E, debaixo de uma manta escura e pintada por estrelas cintilantes descobriu que o algodão doce do seu corpo era melhor almofada que algum dia sonhara.
Em mais uma noite escura lá estava , deitada sob a vigília carinhosa do seu olhar...

E sabes...
Sabes o que ela faz ao dormir?
Sonha com ele.
É por isso que sorri tanto enquanto dorme .

Fernanda Huppert

Planeta Inóspito

Postado por Fernanda Huppert 2 Viajaram Aqui

Imagem Mil Olhares
Onde mora a ciência
Desse mundo louco
Que de tudo tem um pouco?
Qual o endereço
Do conhecimento vestal
Esse saber de adereço
Que do fim ao seu começo
É véu para o mero mortal?
Conhecimento ignorante
Dos que maldizem
A esfinge indecifrável
Topografia desse universo gestante
Criadouro do saber inalheável.
Economia de trocas
Entre saber ciência
E saber campo
Um precisa consciência
O outro, pobre experiência.
Nessa fissão de saberes
Esquecem-se as entranhas dos seres
Com seus átomos imperceptíveis
Diferenciados.
Buliçosos e miscigenados.
Desmitificados.
Que ao se encontrarem num só intervalo
Formulam sua própria tabuada
Sem mais
Sem menos
Frente a frente
Num tempo mediado.
Eis a natureza do mundo
Um pacote de misturas,
Um mundo com tantos mundos dentro
A aspergir sabores quimicamente complexos
Com seus prótons, nêutrons e elétrons
Planeta Inóspito
Morada simultânea de contrários
Fábrica de seres reais
Que trazem à realidade seres fabricados.
Brincadeira que transforma o mundo.
Um grande Lego com rodas, portas e janelas.
Girândola biruta de eventos
É tudo.
Também coisa nenhuma.
Ciência em si
E fora de si.

Fernanda Huppert

Lição de Química

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui
Escrever a nossa história numa equação é o mesmo que igualá-la ao fracasso. Chegamos sempre a resultados improváveis. E se nada se perde, tudo se transforma, então o amor nunca se perde, mas pode deixar de ser totalmente amor para se transformar também em saudade.
E, segundo leis físicas e da razão, ao toque dos nossos lábios, a força da gravidade ver-se-ia desafiada. Porque nessa fórmula somos dois corações insolúveis, imiscíveis.
Teu coração é óleo e meu é água.
Seria altamente improvável a fusão da minha alma na tua. E se a Química nos pudesse guardar numa equação, essa seria uma fórmula de fracasso, em que tudo nela bate certo para entre nós bater errado.
Imagem Google
Mas também aprendi que um íman tem sempre dois pólos [você e eu] que se repelem e se atraem num tortuoso campo magnético. E aprendi que nas fórmulas matemáticas não se equacionam emoções, que ainda não criaram nenhuma letra grega para o teu sorriso e nenhum teorema para os meus olhos.
Nenhuma batida do coração poderá ser susbtituída por um simples x + y.Porque ao contrário da Química, o amor iguala a um a soma de duas parcelas.
Aprendi que o amor e a vida não se resumem a meras equações.
Porque a vida é feita de fórmulas vazias de sucesso. Fórmulas que julgamos estar certas sem jamais as termos comprovado.
Porque há certas coisas que é melhor não equacionar, é mais fácil viver

Fernanda Huppert

Perdendo-se

Postado por Fernanda Huppert 0 Viajaram Aqui
"Porque é que
nas histórias de Príncipes e Princesas
nunca contam o medo que ambos
sentem com a possibilidade de
se perderem?"

Fernanda Huppert

Cartas Ausentes

Postado por Fernanda Huppert 0 Viajaram Aqui
Despertou a primavera, mas eis que meu coração é eterno Outono. Outono porque resisti ao frio do Inverno, mas deixei cair as flores entre mim e o sonho.
E nem as flores que ponho no cabelo poderão apagar o Outono de Março. Mas hoje, só hoje, eu quis que a rua fosse Outono de amor e que as folhas desse Outono se transformassem em folhas soltas de amor.
E a cidade cobrir-se-ia de cartas amadas e amantes, guardadas em livros antigos, abandonadas nas ruas, pisadas como folhas velhas de um Verão que passou. Das árvores cairiam cartas de amor ao mundo - a mim, a ti, ao outro, ao alheio, aquele, aquela.
E todo o coração escreveria uma carta de amor, que deixaria sobre um banco de jardim, sobre uma esquina da rua, sobre a mesa do café, sobre o bancos, ruas, avenidas.

E a cidade seria feita de ruas enamoradas, de cartas abandonadas, recolhidas por mãos alheias, suspeitas, distantes, amadas, sentidas, carentes, amantes.
Mas esse é apenas um Outono do meu coração.
Talvez eu escreva, um dia, uma carta de amor sobre o teu nome e a abandone na tua rua, largada ao vento, ao sol, ao mundo.
E talvez eu deposite sobre o meu nome a flor que trarei no cabelo quando a primavera despertar em mim, em sua proxima estação...

Fernanda Huppert

Eu, a menina...

Postado por Fernanda Huppert 1 Viajaram Aqui
Fui, na infancia, uma menina de bata branca que corria no recreio. Escrevia cartas de amor às escondidas da mãe e fazia-me de princesa nos jogos da escola. Os sonhos, trazia-os eu na palma da mão, presos por um fio de prata como se fossem balões que me arrastavam no ar.
Eu era uma menina com asas na mão. Nessa altura, eu olhava para as “maquiagens” de minha mãe e para os sapatos que ela tinha, e chorava.
Não queria ser uma menina pequena com meia dúzia de sonhos tolos na mão. E sempre que eu chorava descobria que saía apenas água salgada e nunca a crença nesses pequenos grandes balões. Eu acreditava ter nascido no tempo errado dos amores.

A história havia começado sem a princesa. Hoje cresci, as mãos cresceram.
Descobri que o coração ficou mais pequeno para os sonhos e maior para o medo.
O coração é elástico. Os sonhos não são mais balões – se o são, fugiram e eu caí ao correr atrás deles.
Se alguém perguntar se fui feliz – não, não perguntem – eu mandaria perguntar se os sonhos doem mais agora do que doeram enquanto pousados na bata branca. Tento esconder-me das fotografias de criança para não ter que admitir que fracassei em todos os balões que eu, ainda menina da bata branca, trazia presos em mim.

Eu não soube guardar meus sonhos quando menina.
Não, não a tragam até mim, esta menina que perdeu-se, o seu sorriso triste perguntaria coisas e olharia para a palma da mão onde não estariam mais os sonhos que eu deixei a vida matar.
Eu sei que ela iria querer saber:

- Se tens uma mão maior do que a minha, como é que os balões não couberam na tua mão?E eu teria para lhe dar apenas o silêncio que ela veria engasgado no meio da minha garganta. Talvez ela percebesse que eu enchi demais os seus balões com silêncios mortos e eles estouraram pelo ar.
Lembro-me que a menina da bata branca era feiticeira e tinha nos olhos uma bola de cristal. Adivinhava coisas doces no futuro e eu não seria capaz de dizer que aquilo que ela via não era amor, mas sim um barco perdido que se afundava com todos os sonhos num baú.
Como dizer a uma menina, que guardava no bolso cartas de amor, que todas as suas previsões estavam erradas?
Como lhe dizer que todas as lágrimas que chorou não foram suficientes, porque dentro de mim e dela existe um oceano?
E eu sei que ela diria, entre o correr silencioso de uma lágrima, que podemos sempre encher novos balões. E eu não seria capaz de lhe dizer que perdi todas as forças para prender balões a mim.
Mas eu diria que ela estava errada quando disse que nasci no tempo errado dos amores.
Não nasci ...
Não, não nascemos menina ...
Porque nunca existiu um tempo certo para gente como eu e você...

Fernanda Huppert

Menina Solidão

Postado por Fernanda Huppert 0 Viajaram Aqui
Era uma vez a menina solidão com coração de papel. A menina era uma princesa fechada na cidade dos deuses, onde o mar engolia os sonhos que tinham medo de voar. Por isso, o príncipe menino escondia na lua os sonhos da princesa solidão, para que o mar não encontrasse os sonhos da menina e engolisse para sempre a sua dança.
Enquanto ela dormia, o menino soprava os cabelos da princesa e pousava-lhe um beijo leve sobre os fios, que lhe adormeciam as lágrimas e a deixavam dormir longe do mar.
Quando acordava, ela dançava pelas ruas e incendiava-as de sonhos, cantando para o príncipe, que a ouvia escondido nas infinidades da lua.

Durante o dia, com os olhos longe da grande bola lunar, o coração da menina chorava lágrimas de papel. Quase parecia que em vez de papel, eram diamantes pesados que lhe doíam no peito. O menino recolhia as lágrimas da menina e guardava-as em safiras e rubis que faziam a lua brilhar. O grande segredo do menino, era que o seu coração era feito de lua, uma lua grande e redonda que nascia no céu para ver a menina dançar. Quando dormia, a menina sentia apenas o beijo do príncipe sobre seus cabelos e era como se o mar agitado dentro dela pudesse finalmente cessar.
E esse é o grande mistério que faz brilhar a lua… as lágrimas tristes da menina solidão recolhidas pelo príncipe menino que faz dos sonhos dela, o seu palácio.

Fernanda Huppert

Entre Desejos e Fugas

Postado por Fernanda Huppert 0 Viajaram Aqui
Ela sangrava amor. E fugia. E os corpos apagados nos quais ela embatia sem pedir desculpa não reparavam porque o amor não é como o sangue – não mancha a roupa.
Os gritos mudos de socorro não lhe saíam da boca cada vez mais suja de amor.
As pernas não eram mais pernas, eram antes pedaços de dor numa marcha desvairada pelos becos. Os olhos ferozes deixavam de o ser quando os corpos desalinhados os escondiam do mundo. O medo era, nesses dias, a força dos ventos e dos mares que ela traçava nas ruas sem que ninguém os sentisse no rosto. Porque ela sangrava amor e fugia.
Colecionava na carne os gumes dourados que escreviam canções de saudade às lâminas que o corpo consumia.
E entre danças na corda bamba do medo, ela misturava-se na multidão que, quiçá, fugia também. Ao virar das esquinas, por entre os fios de cabelo negro, ela olhava para trás certificando-se de que ele não a seguia.
O que ela não sabia é que ele a perseguia lá dentro, nunca lá fora.

Fernanda Huppert

Mata Atlântica

Postado por Fernanda Huppert 0 Viajaram Aqui
Hoje Dia da Mata Atlântica, dia propício para começar um texto e um Blog.
Fico imaginando aqui, quantas árvores não foram plantadas hoje, quandos hinos verdes não foram cantados e simbolizados por crianças em seus trajes escolares.
Quantas manifestações não foram feitas diante de algum orgão público, federal ou estadual, quantos? quantos? quantos?

Aí me pergunto:Só hoje?O Dia da Mata é todos os dias, a preocupação desta floresta está aí, estampada em anuncios que pessoas passam e mal lêem, gastam-se tantos papéis para isso, e na verdade apenas ¹/³ desta população reage e tenta fazer algo.É gritante ver a necessidade de tanta ajuda e sentir-se impotente.

Mas ainda acredito que este ¹/³ antes que toda esta beleza acabe, se triplique, triplique, assim como os $$$$$$$$$$$$ de nossos políticos e assim consigamos salvar parte de tudo o que nos foi dado de presente!

Fernanda Huppert